Goiás na Frente foi um golpe nos prefeitos

Secretário Ernesto Roller afirma que governo nunca teve dinheiro para tocar o programa

O secretário de Governo, Ernesto Roller, em entrevista ao vivo para a Rádio Sagres 730 AM, na manhã desta terça-feira, dia 15, afirmou que o Goiás na Frente foi uma grande venda de ilusões para a população goiana e um forte golpe nos prefeitos. De acordo com o secretário, o Estado não tinha o dinheiro prometido quando lançou o programa, em março de 2018. Mesmo assim, celebrou mais R$ 500 milhões em contratos com as prefeituras. Anunciado como sendo o maior programa de investimentos regionais em curso no Brasil, na verdade, o Goiás na Frente resultou num grande calote, pois pouco mais de 30% do valor foi pago até agora aos municípios.

Buscando uma solução real para o problema, Ernesto Roller diz que o atual governo, por meio da Procuradoria Geral do Estado e da Secretaria da Fazenda, realiza levantamento de todos os 221 contratos assinados. “Estamos analisando juridicamente todos os convênios para uma radiografia integral do Goiás na Frente. Assim que tivermos esse diagnóstico, vamos chamar os prefeitos e estabelecer os procedimentos. O fato é que não há recursos. Vamos conduzir a situação com transparência e diálogo.”

O secretário destacou que existe vontade política e o comprometimento da parceria do governador Ronaldo Caiado para o auxílio a todos os municípios goianos, mas que não se trata de parceria “baseada na enganação”. “Não vamos tapear os prefeitos. Não há recursos e vamos ver uma solução jurídica para os contratos em andamento. Não podemos deixar que o Estado continue nesta rota de endividamento e de falta de responsabilidade fiscal, pois, em algum momento, essa conta é cobrada.”

O momento, segundo Ernesto Roller, é de prudência. Ele disse que o governador Ronaldo Caiado aguarda o diagnóstico da equipe técnica do governo federal para encontrar um “horizonte de soluções definitivas” dado à grave situação que Goiás enfrenta. “Com esse diagnóstico, teremos condições de dar encaminhamento a medidas administrativas locais. O governo já está fazendo sua parte. Estamos em articulação com o governo federal e com o Ministério da Economia, preparamos uma reforma administrativa para reduzir a máquina, principalmente em relação aos comissionados, e estamos discutindo os incentivos fiscais, entre outras medidas.”

*Salário*

Ernesto Roller lembrou que o governo anterior dava sinais do descontrole financeiro do Estado, quando dividiu a folha em duas datas de pagamento,e que nada foi feito para estancar o problema. Ele afirmou que a atual administração está trabalhando para construir uma solução em relação ao pagamento do mês de dezembro, que não foi, sequer, empenhado. “Foi um verdadeiro calote o que fizeram. Uma pedalada fiscal. Agora, estamos trabalhando para resolver o problema da folha de dezembro e fazendo um esforço para, daqui pra frente, realizar o pagamento dentro do mês.” O secretário assegurou que a folha de janeiro será quitada dentro do mês, a partir do próximo dia 25. 

        Comunicação Segov

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.